Cracóvia foi a capital da Polônia por muitos séculos, tem o centro histórico mais preservado do país e ainda é considerada por muitos a capital cultural. Por isso, há uma rivalidade com Varsóvia, a atual capital. Aliás, quando eu estava em Cracóvia, eles me ensinaram a responder a quem me perguntasse se eu já tinha visitado Varsóvia com “Varsóvia? Nunca ouvi falar!” Dizer isso em polonês quebrado sempre rendia risadas e drinks. Embora na verdade eu só não tenha visitado Varsóvia por falta de tempo e ainda tenha vontade de ir, foi bom ter dedicado mais tempo a Cracóvia. Esses são alguns dos monumentos da época em que Cracóvia era a capital do reino.

Centro histórico Cracóvia

O Castelo de Wawel foi construído na colina de Wawel, uma elevação natural com vista para toda a cidade.

O estilo do Castelo é bem peculiar. A inspiração é obviamente a Renascença italiana, mas muitos dos seus preceitos foram subvertidos. O tetos retos foram evitados porque eles não são uma boa idéia em uma cidade em que neva tanto. Ao invés de colocar o primeiro andar como o andar nobre, colocaram o terceiro, onde faz menos frio.

Castelo de Wawel Cracóvia

Hoje o Castelo é um museu. Visitantes podem entrar nos Apartamentos Reais, nos State Rooms, no Tesouro, em uma exibição arqueológica chamada Lost Wawel e visitar a coleção de arte oriental. Você adiciona quantas dessas atrações quiser no bilhete, mas preste atenção porque algumas delas tem horário de entrada.

Eu visitei os Apartamentos Reais, os State Rooms e Lost Wawel, e achei que valeu muito a pena. Na época o quadro Dama com o Arminho, do da Vinci, também estava sendo exibido no Castelo. Hoje ele está de volta ao museu Czartoryskich, que estava sendo reformado.

 

A Catedral de Wawel tem mais de 900 anos e um estilo bem diversificado – já que cada imperador que passava por lá queria fazer uma adição para deixar a sua marca.

A Catedral é muito visitada pelos interessados no roteiro real de Cracóvia mas também pelos que vêm para a cidade por motivos religiosos: aqui o papa João Paulo II foi feito auxiliar de bispo.

Catedral de Wawel Cracóvia

Cracóvia permaneceu uma cidade murada por muito tempo. E isso que agora é visto como charmoso e atrai milhares de viajantes a cidadezinhas européias era no século XVIII um símbolo do atraso de Cracóvia frente outras capitais européias. O fosso tinha se tornado um lugar de despejo ilegal de lixo e representava um risco para a saúde dos poloneses. Os austríacos, que dominavam essa parte da Polônia, decidiram demoli-las. Cracóvia perdeu o que poderia ter sido uma atração turística, mas ganhou em qualidade de vida: nada foi construído no lugar das muralhas, e o centro ficou cercado por dois quarteirões de jardins para cada lado.

O Portão de Florian era parte das fortificações, e ainda está de pé. Isso graças a um Radwański, professor na universidade de Cracóvia, que fez um movimento para preservar essa torre, o Barbican, e um pequeno trecho das muralhas, vistos como monumentos importantes da história da cidade.

 

 

O Barbican é uma fortaleza que já foi conectada com as muralhas da cidade. Hoje é uma atração turística e um centro de exibições. Na época de sua construção, no século XV, ele foi considerado uma obra prima da engenharia, baseado mais em modelos árabes do que europeus.

Barbican

A Universidade Jagellonian é uma das mais antigas do mundo, fundada na cidade por Casimir III, o grande. Ela recebe esse nome porque foi a dinastia dos Jiagiellonian que contribuiu para o seu crescimento.

A Universidade teve sua existência ameaçada várias vezes, primeiro pelos austríacos, que ficaram com Cracóvia durante as divisões da Polônia no século XVIII, e finalmente pelos nazistas, que a fecharam e deportaram vários professores para campos de concentração.

Universidade Jagellonian Cracóvia

O prédio mais visitado por turistas é o Collegium Maius, um edifício em estilo gótico de fins do século XIV. Um tour do prédio em inglês de 1 hora acontece de segunda à sexta às 13 horas, enquanto tours menores de 30 minutos saem a cada 20 minutos. É sugerido reservar com antecedência. O relógio do pátio tem figuras de madeira que fazem um pequeno desfile a cada 2 horas.

 

Afinal, Cracóvia é ou não uma cidade real?

Escrito por Julia Boechat

Estudante de história. Já morei em Bologna, fiz trabalho voluntário em Praga e viajo sempre que posso. Sou viciada em livros e filmes e estou tentando ler/ver um de cada país do mundo.

5 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s