A Ilha de Lokrum é uma ilhazinha absurdamente verde na costa de Dubrovnik. Você pode vê-la atrás da cidade se estiver passeando pelas muralhas. Ela ficou tão conservada porque é uma área de preservação ambiental, na qual não existem hotéis ou casas, e pode ser visitada a partir de Dubrovnik.

Vista muros Dubrovnik 8

Chegando na ilha de barca, o primeiro lugar que visitei foram as ruínas do antigo Mosteiro Beneditino. Diz a lenda que Ricardo Coração de Leão, rei da Inglaterra, naufragou perto da ilha em 1192, quando voltava das cruzadas. Ele prometeu construir o monastério em agradecimento a ter sobrevivido.

O nome Lokrum viria dessa época, da palavra acrumen para uma fruta amarga, porque os beneditinos tinham jardins de plantas exóticas. Hoje você pode visitar as ruínas, e uma parte da abadia tem um museu interativo sobre Game of Thrones.

A ilha foi por muito tempo propriedade privada, e no final do século XIX pertencia ao arquiduque Maximiliano da Áustria. Ele continuou a trazer espécies exóticas como cactus, eucalipto e os pavões que hoje você vê em todo lugar na ilha. Essa é a origem do jardim botânico perto do mosteiro.

Seguindo para o ponto mais alto da ilha, visitei um antigo forte construído pelos franceses de onde você pode ver a cidadezinha murada de Dubrovnik.

Depois de andar, era a hora de dar um mergulho no Mar Morto, nome do lago de água salgada lá perto. E, é claro, nadar na praia. As praias são de cascalho e tem muitos ouriços, então vale a pena investir em um sapatinho de praia. Mas lembre que se você comprar antes em um supermercado vai pagar um terço do preço de um lugar turístico. Muita gente também leva óculos de mergulho.

Algumas praias tem a sinalização FKK, Freikörperkultur, ou “cultura livre do corpo”, sinalizando que são praias nudistas.

A ilha tem restaurantes e bares, mas, se quiser economizar, leve um lanche e faça um piquenique.

Para chegar à ilha, você tem que pagar uma taxa de preservação ambiental, porque ela é uma reserva. Se você for de transporte público, o preço tá incluído na barca. Se você for de caiaque ou barco de madeira, confira antes.

Escrito por Julia Boechat

Estudante de história. Já morei em Bologna, fiz trabalho voluntário em Praga e viajo sempre que posso. Sou viciada em livros e filmes e estou tentando ler/ver um de cada país do mundo.

um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s