O nome Skye aparentemente vem do norueguês antigo e significa “ilha das nuvens”, o que é bem apropriado. Ou, como dizia a moça do meu albergue em Kyleakin, lá não tem neblina, é que a terra é tão bonita que as nuvens vem beijá-la.

skye

Eu fiquei na cidade de Kyleakin, uma das portas de entrada da ilha, perto da ponte que a liga ao resto da Escócia.  Ela era mais visitada quando uma barca chegava lá, mas hoje com a ponte elas passam direto e cidade é pouco visitada.

Em Kyleakin fica o Casteal Maol, as ruínas de um castelo do século XV pelo menos. O castelo era o lar dos clã dos MacKinnen, e diz a lenda que seu líder ganhou a cidade dos reis noruegueses – que dominaram a ilha até o século XIII – ao se casar com uma princesa. Ela estaria enterrada em Beinn na Caillich, na serra conhecida como Red Cuillins, com o rosto voltado para a Noruega. O próprio nome da cidade vem de um rei norueguês, o rei Haakon VI, que ancorou os navios na baía.

Dun Beag significa o pequeno forte, mas na verdade existem controvérsias sobre o que ele era originalmente. Ele foi construído na Idade de Ferro, ou seja, pelo menos uns 500 anos antes da nossa era. Ele foi reutilizado em vários momentos, pelo menos até a Idade Média. Existem vários prédios assim na Escócia, mas ele é um dos mais fáceis de visitar.

As águas de Sligachan são parte de um mito, de uma gigante guerreira chamada Scáthach. Cúchulainn, um gigante da Irlanda, ouviu falar sobre a sua força e resolveu ir para Skye e desafiá-la, para provar que ele era o mais forte. Quando eles começaram a brigar, animais fugiram com medo. A filha de Scáthach começou a chorar, com medo de que sua mãe perdesse. As fadas, vendo as suas lágrimas, falaram que ela deveria mergulhar o rosto no rio para ganhar sabedoria e parar a batalha. Ela fez isso, e depois pegou algumas ervas e castanhas e as jogou no fogo. Sentindo o cheiro, os dois gigantes perceberam como estavam cansados e famintos. A filha de Scáthach os convidou de volta para casa, onde ela tinha preparado uma refeição digna daquela batalha. Depois que Cúchuilainn comeu na casa de Scáthach, ele era seu hóspede, e não podia mais lhe fazer mal.

As pessoas das Highlands juram que mergulhar seu rosto por sete segundos nas águas de Sligachan garante beleza eterna. Não vale mergulhar a mão e passar umas gotas no rosto: você tem que mergulhar o rosto mesmo.

Portree é a maior cidade da ilha, com cerca de 2 mil pessoas, e onde fica o único colégio de ensino médio. O nome parece significar porto real ou porto na encosta. A cidade é mais conhecida pelas casinhas coloridas na costa. O nome dela significa Porto Real.

portree-trust-org
Crédito: Portree Trust

O Kilt Rock é conhecido assim porque o padrão criado nas rochas pelo vento fez com que elas parecessem quadriculadas, como um kilt.

Lá perto está a cachoeira de Mealt, que tem uma queda de 60 metros direto no oceano. Quando o vento está forte, a água voa para tão longe que parece nem chegar no mar.

kilt-rock

O Fairy Glenn é famoso pela crença de que fadas viviam no vale. O pico do lugar é uma rocha chamada de Castle Ewen. Lá perto, você pode ver padrões em espirais feitos com pedras. Você deve andar por eles seguindo a espiral para deixar oferendas para as fadas, e depois sair do espiral andando de costas. Eu caí. Era difícil.

O Castelo de Dunvegan é um dos mais conhecidos da ilha, e até hoje pertence ao clá MacLeod. No século XVI, o clã MacLeod era inimigo do clã MacDonald. Então Rory MacLeod ofereceu sua irmã, Margaret, em casamento a Donald McDonald (eu não estou zoando com esse nome). Era um casamento de handfast, o que significa que ele seria dissolvido se a mulher não desse luz a um herdeiro em um ano e um dia.

Durante esse período, Margaret não deu a luz a um filho e perdeu o uso de um olho, dizem alguns que por culpa do marido. Ele resolveu mandá-la de volta em um cavalo caolho, acompanhada de um servo caolho e um cachorro caolho. Em resposta a esse insulto contra sua irmã e seu clã, Rory MacLeod atacou os MacDonald, na última guerra de clãs em Skye. A batalha, vencida pelos MacDonald, tem o nome oficial de Batalha de Coire na Creiche, mas é mais conhecida pela população local como Guerra da Mulher Caolha.

O Quiraing é conhecido pela paisagem única, que vem do período Jurássico. Também é uma das trilhas mais famosas de Skye, de cerca de 5 quilômetros. As rochas lá tem formatos estranhos e todas ganharam apelidos como “a agulha” e “a mesa”.

La perto fica o Old Man of Storr, outra trilha famosa, mas que eu não tive como fazer porque o tempo não permitiu. A subida e a vista lá de cima são icônicas em Skye.

old-man-of-storr-trip-advisor
Crédito: Trip Advisor

Como visitar a Ilha de Skye: infelizmente o transporte público não é muito bom, já que o número de habitantes da ilha é pequeno, então é mais fácil alugar um carro ou contratar um tour. Eu resolvi contratar um tour, o que eu geralmente odeio fazer, mas foi legal porque  a gente ficava 15 minutos na van e depois ficava um bom tempo em cada atração, ao invés dos típicos um bom tempo na van e 15 minutos em cada lugar.

O guia contava as histórias dos lugares dentro da van, depois deixava cada um livre para fazer o que quisesse nas atrações. Aprendi muito sobre as lendas de Skye, e ainda discutimos assuntos como o referendo para a Escócia deixar o Reino Unido, que aconteceria em dois meses. Eu contratei o serviço diretamente no meu albergue, o Skye Backpackers em Kyleakin. 

Para chegar à Ilha, eu peguei um trem de Inverness para Kyle of Lochalsh, deixei a mochila na estação de trem, e peguei um ônibus para Dornie, para ver o Eilean Donan Castle. Na volta, peguei o mesmo ônibus para Kyleakin, sendo que aproveitei a parada de 15 minutos em Kyle para dar uma corridinha e pegar a mala.

Na volta, peguei um ônibus até Armadale, uma balsa até Mallaig e o trem Jacobite até Fort William. O trem é bem famoso por ter aparecido nos filmes do Harry Potter, onde ele passa em cima de um viaduto. Então tem que reservar antes e ! Foi legal, mas acho que eu preferia ter pego um trem normal até Glenfinnan, onde fica o viaduto e visto ele passar lá em cima.

Escrito por Julia Boechat

Estudante de história. Já morei em Bologna, fiz trabalho voluntário em Praga e viajo sempre que posso. Sou viciada em livros e filmes e estou tentando ler/ver um de cada país do mundo.

4 comentários

    1. Ei, tudo bom? Todas as fotos foram tiradas em dois dias. As de Kyleakin que estão aqui foram todas tiradas no espaço de algumas horas, para você ter noção o quanto muda! A gente tava no alto do castelo e voltou rapidinho com medo de pegar uma tempestade.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s