Como diz o título, essas são algumas sugestões de livros e filmes para quem quer entrar no clima de viajar para a Itália. Tentei colocar um pouco de tudo, por isso a lista imensa, mas em um país com tantos clássicos é difícil deixar algo de fora. A maioria são obras de escritores ou diretores italianos, embora eu tenha colocado também algumas obras de estrangeiros. Tentei colocar algumas obras que são muito amadas por lá, que representam eventos históricos ou simplesmente algumas obras das quais eu gosto. Sintam-se livres para deixar mais sugestões nos comentários.

Para quem ama história:

memórias adriano yourcenar roma day trip tivoli villa
Trecho das Memórias de Adriano no Largo Marguerite Yourcenar, na entrada da Vila de Adriano em Tivoli

Memórias de Adriano – Marguerite Yourcenar

Indispensável para quem se interessa por história romana ou quer visitar a cidade de Tivoli. Marguerite Yourcenar era uma autodidata que escreveu romances históricos que se passam em várias épocas diferentes. Ela escolheu a época de Adriano por ser uma época em que as pessoas não acreditavam mais nos deuses romanos mas o cristianismo ainda não estava estabelecido, o que ela via como um paralelo à Europa do pós-guerra.

dsc01466-dante

A Divina Comédia – Dante

A visita do narrador ao Inferno, Purgatório e Paraíso não é uma leitura fácil, mas é uma que enche qualquer visita à Florença de significado. Não tem como não se emocionar ao passar pelos lugares da vida do autor e pelas plaquinhas com citações por toda a cidade.

Decameron – Boccaccio

Dez jovens se hospedam em uma vila em Fiesole, tentando evitar a peste em Florença. Lá eles contam história – cada um deve contar uma história por noite, por dez dias. Alguns dos contos foram criados por Boccaccio, e outros foram escritos por ele com base em contos populares da Itália, da França, e mesmo de lugares distantes como a Pérsia.

O Nome da Rosa – Umberto Eco

O frei Guilherme de Baskerville é chamado para um mosteiro para investigar a possibilidade de que os monges estejam cometendo heresias. Ele é interrompido por assassinatos bizarros, que ele, como o nome Sherlockiano indica, logo se põe a investigar.

Os noivos – Manzoni

Esse é importante por um motivo simples: é o livro que os italianos escolheram para representar seu país, um dos primeiros escritos na versão do toscano que viria a ser a língua italiana. Dizendo ter encontrado um manuscrito perdido, Manzoni cria um romance histórico que se passa na Lombardia do século XVII, então sob ocupação espanhola – na época do próprio Manzoni, a região estava ocupada pelos austríacos. Nele, o casamento de Lucia e Renzo é adiado porque o padre local se recusa a casá-los, sob ordem de Don Rodrigo, que se apaixonou por ela.

Fascismo, Segunda Guerra e período pós guerra

una_giornata_particolare
Crédito: imdb

Um dia muito especial – Scola

Uma dona de casa (Sophia Loren) fica em casa enquanto seu marido leva os seis filhos do casal para ver uma passeata fascista para celebrar a visita de Hitler a Roma. O prédio fica quase completamente vazio, a não ser por Gabriele (Marcello Mastroianni), um jornalista perseguido pelo regime por causa da sua sexualidade.  

O Jardim dos Finzi-Contini – Giorgio Bassani

O livro começa quando o autor visita o mausoléu da família judia dos Finzi-Contini, em Ferrara, e isso o leva a lembrar sua relação com Micòl Finzi-Contini durante o fascismo italiano e as restrições raciais aos judeus.

Aquela confusão louca da rua Merulana – Carlo Emilio Gadda

Um detetive de polícia é chamado para investigar o assassinato de Liliana Balducci, uma socialite e sua amiga pessoal. “O engenheiro” (como Gadda é conhecido na Itália) usa esse pano de fundo para falar sobre a vida em Roma no início do fascismo e para experimentar com a língua italiana e com dialetos. Um amigo meu descreve como um romance policial metafísico melhor que Thomas Pynchon.

O tédio – Moravia

Quando fiz intercâmbio na Itália, fiz um curso de Literatura Italiana Contemporânea e esse foi um dos livros preferidos da turma, junto com O Xale Andaluz, da Elsa Morante. Moravia fala de alienação social, sexualidade e existencialismo por meio do artista Dino, e sua incapacidade de ter uma relação com a realidade.

Uma Questão Pessoal – Beppe Fenoglio

Lendo os livros de Fenoglio, alguns dos seus contemporâneos disseram que ele escreveu os livros que todos os partigiani queriam ter escrito. Ele fala de um triângulo amoroso que se desenrola em meio à Resistência italiana.

A lua e as fogueiras – Pavese

Último romance de Cesare Pavese. Conta a história de um homem que volta rico para sua cidadezinha no Piemonte, depois de cumprir sua promessa de “fazer a América”. Lá, ele relembra sua vida, e descobre o que aconteceu com algumas pessoas da cidade durante a guerra.

roma-citta-aperta
Crédito: imdb

Roma, cidade aberta – Rosselini

O filme clássico de Rossellini, filmado em Roma recentemente liberada pelas tropas aliadas. O diretor primeiro queria fazer dois curtas, um sobre as crianças que fizeram parte da Resistência, e outro sobre um padre católico que ajudou os partigiani, até que Fellini deu a idéia que eles deviam ser combinados em um longa.

Se é isso um homem – Primo Levi

Primo Levi era um judeu e um químico italiano quando se juntou à Resistência. Ele foi enviado a Auschwitz, e publicou seu livro em 1947. Ele começa por lembrar a condição de subhumano que os nazistas atribuíam aos judeus, e perguntar ao leitor se é isso um homem, que não conhece paz e luta por um pedaço de pão. Ele conta as suas experiências, que depois retoma em alguns contos, em A Trégua, o livro que escreveu sobre seu longo percurso para conseguir voltar para casa na Europa do pós guerra, e o livro de ensaios Os Afogados e Os Sobreviventes.

ladri-di-biciclette
Crédito: imdb

Ladrões de Bicicletas – De Sica

Na Itália do pós guerra, Antonio está desesperado para encontrar trabalho e sustentar sua família. Ele consegue um trabalho que exige uma bicicleta, então sua mulher penhora os lençois para conseguir uma, mas ela é logo roubada. Junto com o filho de oito anos, ele começa uma busca desesperada pela bicicleta, sua última esperança de uma vida digna.

Para quem quer saber mais sobre as diferentes regiões:

O Gattopardo – Lampedusa

Esse romance histórico conta a história de uma família da decadente aristocracia siciliana durante as invasões napoleônicas. Ela foi escolhida pelo The Observer como um dos melhores romances históricos de todos os tempos, então também é ótimo para quem gosta de história.

Cristo parou em Eboli – Carlo Levi

Essencial para uma visita ao sul. Por causa de seu ativismo anti-fascista, o médico Carlo Levi foi obrigado a ir viver em uma pequena cidade na região da Basilicata. As pessoas ali não se sentem conectadas com o país, que, sentem, não se preocupa com elas. As pessoas lá, dizem os preconceitos, não seriam nem mesmo cristãos – Cristo, como a linha do trem, parou em Eboli, a maior cidade da região. O livro fala muito do choque cultural dentro do próprio país e dos contrastes entre o sul e o norte da Itália.

Romances de Nápoles – Elena Ferrante

Recentemente desmascarada [sic], ou, como eu diria, exposta e tendo sua privacidade revirada, a autora italiana tem crescido em popularidade. Esses quatro romances contam a história da amizade de duas amigas que crescem em um bairro pobre em Nápoles. Uma delas, Lila, desapareceu aos sessenta e seis anos levando todos os vestígios de sua existência, livros, roupas, tudo. A outra, Lenù, escreve o livro para contrariá-la, impedir seu sumiço completo.

Os romances começam com A amiga Genial, passa por História do Novo Sobrenome e História de quem Fica e de quem Foge, e termina com História da Menina Perdida.

Stromboli – Rosselini

O filme fala de uma jovem lituana que se casa com um pescador da ilha de Stromboli para evitar ser mandada a um campo de concentração. Mas o choque cultural na pequena ilha conservadora, sempre ameaçada pelo vulcão, é mais do que ela consegue suportar.

Gomorrah – Roberto Saviano

Trocadilho com Camorra, nome da máfia napolitana, que pretende expor suas atividades. Quando publicado, foi uma sensação na Itália e rendeu ao seu autor vários ameaças de morte.

Para conhecer os clássicos

Seis Personagens à Procura de um Autor – Pirandello

Um diretor e uma equipe de teatro estão ensaiando uma peça quando seis pessoas aparecem, clamando serem personagens inacabados da imaginação de um autor. Eles querem as falas para uma história que explicará os detalhes das suas vidas. Essa peça é um bom exemplo das inovações que rendereram a Pirandello um Nobel de Literatura. Na primeira vez em que ele foi representado, parte da audiência saiu da peça no meio, gritando “Manicômio, manicômio”.

A consciência de Zeno – Italo Svevo

Romance pioneiro com o seu modo de usar a psicanálise. Zeno, o personagem principal, começa a escrever um diário por indicação de seu psicanalista. Cada um dos livros trata de um tema, como seu vício em cigarros, a morte de seu pai e seu casamento. O autor foi muito inspirado pelo trabalho de seu amigo James Joyce, na época em que ele vivia em Trieste.

Cidades Invisíveis – Calvino

O livro conta a história do famoso explorador Marco Polo, que narra suas viagens para o imperador Kublai Khan. As descrições fantásticas das cidades se tornam um símbolo da existência humana, em um livro lírico e incrível. Uma ótima introdução a um autor incrível.

A Ilha de Arturo – Elsa Morante

A vida solitária de um adolescente na ilha de Procida, perto de Nápoles, em meio à leituras e a descoberta da sexualidade. A história é contada pelo próprio Arturo, anos depois, enquanto ele vive a época da Segunda Guerra.

Escolhi esse livro da autora porque parece ser o único disponível em português, mas ela tem vários ótimos. O Xale Andaluz, de contos, é um dos meus preferidos.

A Noite – Antonioni

Esse é o segundo filme da chamada Trilogia da Incomunicabilidade, precedido por A Aventura e seguido por O Eclipse. É difícil resumir a história. Podemos dizer que ela se passa em um dia e uma noite em Milão, em que um casal, interpretados por Marcello Mastroianni e Jeanne Moreau visitam um amigo que está morrendo em um hospital e depois vão a uma festa. Mas como o nome da trilogia diz, ele fala sobre muito mais que isso.

La Dolce Vita
Crédito: imdb

La Dolce Vita – Fellini

Difícil escolher só um filme de Fellini, que tem tantos incríveis. 8 e 1/2 tem algumas das melhores cenas do cinema, Amarcord marcou tanto a Itália que se tornou uma expressão, e o final de Noite de Cabíria é um dos melhores que eu já vi. Mas se é para ver um, tem que ser a Anita Ekberg entrando na Fontana di Trevi sob o olhar fascinado do Marcello Mastroianni. Não tente repetir.

Outra curiosidade é que vem desse filme a palavra paparazzo, nome de um fotógrafo que segue a estrela de cinema do filme.

Caro Michele – Natalia Ginzburg

Romance epistolar, gênero que fascinava Natalia Ginzburg. O romance é sobretudo sobre relações familiares, sobre incomunicabilidade e sobre solidão, focando na família que envia cartas ao filho Michele e sobre ele.

Teorema – Pasolini

Escolhi esse filme de Pasolini porque ele trata de sexualidade e repressão, um tema muito presente em suas obras.

O assassinato de Pasolini, ainda coberto em mistérios, mas que tem a homofobia como um dos motivos, é ainda uma ferida aberta na Itália, e foi tratado em muitos filmes atuais, como Pasolini, um crime italiano.

Nós que nos amávamos tanto – Ettore Scola

Um tour de force pela história do cinema italiano. Pela história de três amigos, Gianni, Nicola e Antonio, três idealistas que se tornam partigiani durante a Segunda Guerra, e querem mudar o mundo. Nos vinte e cinco anos seguintes, é o mundo que os muda.

Para descontrair

romanholiday
Crédito: imdb

A Princesa e o Plebeu – William Wyler

Audrey Hepburn interpreta uma princesa que se cansa de suas responsabilidades e foge da embaixada, passando o fim de semana com um repórter americano. É bonitinho para ver alguns dos lugares, como A Boca da Verdade.

Don’t look now – Nicolas Roeg

Famoso pela atmosfera de horror e pela edição maravilhosa da cena de sexo entre Julie Christie e Donald Sutherland, é uma chance de ver Veneza por uma perspectiva bem diferente, em um filme de terror. Eles são um casal que vai para lá depois da morte da filha, mas são atormentados por visões estranhas.

brancaleone_alle_crociate_vittorio_gassman_mario_monicelli_010_jpg_eebr
Crédito: imdb

O incrível exército de Brancaleone Brancaleone nas Cruzadas – Monicelli

Um cavaleiro é assassinado no seu caminho para tomar posse de um feudo, e os assassinos conseguem o incompetente Brancaleone para tomar seu lugar. No caminho, eles enfrentam a peste negra, os sarracenos e os bizantinos. Uma paródia dos filmes de Hollywood sobre a Idade Média.

Sobre a Itália atual

ildivo
Crédito: imdb

Il Divo – Paolo Sorrentino

Biografia dramatizada de Giulio Andreotti, sete vezes primeiro-ministro da Itália e famoso pelos seus supostos laços com a máfia. O filme cobre o período em que ele foi investigado por essas conexões.

Investigação sobre um cidadão acima de qualquer suspeita – Elio Petri

Filme de humor negro sobre um inspetor de polícia que mata a própria amante e planta provas contra si por toda a investigação, para provar que ele está acima de todas as suspeitas e pode sair ileso de tudo. Talvez te lembre os políticos brasileiros também.

lagrandebellezza
Crédito: imdb

A Grande Beleza – Sorrentino

Filme premiado com o Oscar do Sorrentino. O personagem principal, interpretado por Toni Servillo, caminha por Roma encontrando vários personagens e refletindo sobre sua vida, seu primeiro amor e sua falta de um senso de realização. É bem lento e não agrada a todos, mas absurdamente lindo.

cesare-deve-morire-poster
Crédito: imdb

Cesar Deve Morrer – Irmãos Taviani

História real contada pelos Irmãos Taviani, em que os presos da prisão de segurança máxima de Rebibbia, em Roma, encenam o Julio Cesar de Shakespeare. Nota para a fala de um personagem, que diz “Desde que eu descobri a arte, essa cela se tornou uma prisão”.

Troppi paradisi – Walter Siti

Esse não foi traduzido para português, mas coloquei na lista porque fala de um tema moderno e interessante: a Itália sob Berlusconi. O protagonista se chama “Walter Siti, como todos”, e desde jovem estava convencido da própria anormalidade.

Petrolio – Pier Paolo Pasolini

Romance inacabado de Pasolini, composto de fragmentos. É um livro muito difícil de definir, mas que segundo os críticos é uma arqueologia do ser humano, que mistura o épico e o pos-moderno, Dante e James Joyce em um só livro.

In altre parole – Jhumpa Lahiri

A escritora famosa por O Xará tinha uma paixão pela língua italiana que já durava vinte anos quando resolveu se mudar para lá e só escrever em italiano. O livro conta a sua paixão pela língua (e é leitura recomendadíssima para quem quer aprender) e suas dificuldades na Itália, tocando em temas como o racismo e o exílio.

Escrito por Julia Boechat

Estudante de história. Já morei em Bologna, fiz trabalho voluntário em Praga e viajo sempre que posso. Sou viciada em livros e filmes e estou tentando ler/ver um de cada país do mundo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s