Eu decidi ir a Ferrara durante o Buskers Festival, um festival de música de rua. É só andar pela cidade para experimentar diversos tipos de música, com artistas de vários estilos e países tocando em ruas diferentes. Ele geralmente acontece na última semana de agosto.

Ferrara tem vários Festivais ótimos ao longo do ano, como o Festival de Balão, um dos maiores da Europa, durando dez dias no final de setembro, e o Palio, com pessoas em roupas da renascença e justas, no último domingo de maio. Entre Junho e Julho acontece o Ferrara Sotto le Stelle, com participação de artistas como Bob Dylan, Artic Monkeys e Babyshambles.

buskers-festival-ferrara

Mesmo antes de saber dos Buskers já era uma das cidades que eu mais queria ver: Ferrara é uma cidade do renascimento com palácios monumentais e muralhas medievais entre as mais preservadas na Itália. É uma cidade conhecida por ser muito elegante mas muito tranquila, então quem tá de saco cheio das multidões de Veneza ou Florença vai amar parar por aqui.

Os bairros construídos depois do século XV seguiram padrões de planejamento, marcando o início de planejamento de cidades na era moderna, o que fez com que ela fosse reconhecida como Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Mesmo em um país tão lotado de monumentos como a Itália, ela é reconhecida uma cidade renascentista importante.

ferrara-centro-storico

entrando-no-centro-historico-ferrara

Encontrei a primeira banda logo que entrei no centro histórico. Lá também me deram um folheto com horários e tipos de música em cada lugar. Por causa disso, acabei andando por Ferrara em círculos, indo ao Duomo e ao Castelo pelo menos três vezes cada, para procurar os estilos que me interessavam mais. Sorte que o centro de Ferrara é minúsculo, e cada lugar estava a alguns passos do próximo.

buskers-festival-ferrara-primeira-banda

Mesmo assim, deu para passar por vários prédios históricos importantes da cidade.

A torre dei Ribelli, em Ferrara

Torre dell’orologio e escadaria de honra do Palazzo Municipale

A Catedral estava sempre cercada de bandas de vários estilos. Ela combina romanesco e gótico em uma fachada de mármore rosa e branco, que para mim é uma das igrejas mais bonitas da Itália.

duomo-di-ferrara

Na lateral da Catedral fica a Piazza Trieste e Trento, em referência às cidades exigidas quando a Itália mudou de lado durante a primeira guerra. Ela é mais conhecida como Piazza delle Erbe, o nome antigo. A lateral da igreja está cheia de lojas, o que é bem surpreendente quando a gente tem aquela impressão que tudo que é antigo é um museu.

Na via Mazzini, conhecida pelas sombrinhas que ficam lá grande parte do ano e deixam a rua toda colorida, ficou a minha cantora preferida do dia, a Teresa Bansgaard. A apresentação foi incrível. Achei um vídeo no YouTube desse dia que a banda postou.

via-mazzini-ferrara-buskers-festival

Também consegui visitar o Palazzo dei Diamanti, que eu queria ver. Ele foi construído no século XV para os d’Este, e tem esse nome por causa das formas na fachada. Você pode visitar o interior do palácio com audioguide grátis.

Depois dei uma volta pelas ruas em torno do Castelo, onde tinha várias bandas. Lá ficam as ruazinhas conhecidas como o Bairro medieval. Lá dentro está o ghetto judaico, um dos mais antigos e preservados de toda a região. Lá tem um pequeno museu judaico, que conta a história dos judeus na cidade.

Ferrara pertencia à poderosa famosa Este, rivais dos Medici de Florença. Foram eles que construíram o Castelo que é um dos símbolos da cidade.

Vista de dentro do Castelo

Em 1385, a população de Ferrara, desesperados por causa dos impostos altos e das enchentes, invadiram o palácio da família Este e fizeram seu assessor, Tommaso da Tortona, literalmente em pedaços. Então eles construíram essa fortaleza para garantir a segurança da família. Entre o palácio antigo e o castelo novo foi feita uma passagem suspensa, que ainda existe, para permitir que a família fugisse.

Eles atraíram para a cidade artistas como Michelangelo, Andrea Mantegna e Piero della Francesca, todos para trabalhar nesse castelo que parece saído diretamente de livros de histórias, com um fosso e ponte levadiça e tudo.

Você pode visitar várias salas do palácio, como a Sala dei Giganti e a Sala dei Giocchi, e as masmorras onde Nicolò d‘Este, duque da cidade, mandou decapitar sua segunda esposa, Parisina Malatesta e seu filho do primeiro casamento, Ugo, quando descobriu que eles eram amantes.

No dia em que eu fui a Ferrara, o castelo estava cercado por uma grande banda de percussão e muita gente dançando. Uma das meninas do meu albergue, uma inglesa, olhou para mim e disse “é assim que eu imagino o carnaval do Rio!”.

percussao-castelo-de-ferrara-buskers-festival

Escrito por Julia Boechat

Estudante de história. Já morei em Bologna, fiz trabalho voluntário em Praga e viajo sempre que posso. Sou viciada em livros e filmes e estou tentando ler/ver um de cada país do mundo.

5 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s