Usando Ollantaytambo como base, visitei duas cidades próximas que também fazem parte do Vale Sagrado dos Incas: Maras e Moray.

Vale Sagrado dos Incas Maras 2

Maras é mais conhecida pelas salineiras. Desde antes da época dos Incas, produzia-se sal lá. A água salgada surge naturalmente do solo, e é direcionada por pequenos canais para encher as piscinas das salineiras. Lá, cada família fica responsável por 40 piscinas, e deve extrair o sal delas.

Vale Sagrado dos Incas Maras 3

O sal de Maras foi por muito tempo visto como inferior pelo governo, que propagandeava a necessidade de comer o sal marinho, que era iodado. Hoje ele sofreu uma renascença, e você pode encontrá-lo para vender nas lojinhas ao lado das piscinas, puro ou em sabonetes e chocolates.

Vale Sagrado dos Incas Maras 4

Ninguém sabe o que Moray era. Alguns dizem que era um enorme anfiteatro. A hipótese mais corrente entre as pessoas da área é de que era um sofisticado laboratório agrícola, em que cada nível tinha um microclima diferente, com diferenças de mais um grau entre um e outro. Entre a parte de cima e a de baixo, a diferença chegava a 15 graus. Assim, os incas podiam experimentar com sementes e métodos de colheita, aclimatizar e domesticar espécies. Estudos mostram que mesmo o solo de cada círculo foi trazido de partes diferentes do Império.

Vale Sagrado dos Incas Moray 1

Quando eu fui lá, não se podia mais descer ao centro dos círculos, como eu li que as pessoas faziam antigamente. Mas só aproximando um pouco deles, dá para notar uma mudança na temperatura. Ao lado tem outro grupo de círculos concêntricos, esse com pedras.

Vale Sagrado dos Incas Moray 4

Como visitar: eu visitei as duas a partir de Ollantaytambo, onde passei a noite. Junto com outras meninas do meu albergue, fechei um taxi para nos levar aos dois lugares por aproximadamente 4 horas. Ficou 40 soles para cada, o que foi bem razoável. Também existem tours saindo de Ollantaytambo e Cusco.

 

Moray está incluída no Boleto Turistico, do qual falei no post sobre o city tour,  a visita às ruínas ao redor de Cusco. Maras tem entrada separada, de 10 soles.

Escrito por Julia Boechat

Estudante de história. Já morei em Bologna, fiz trabalho voluntário em Praga e viajo sempre que posso. Sou viciada em livros e filmes e estou tentando ler/ver um de cada país do mundo.

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s